NOTA SOBRE O “CASO MANUELA PICQ” -
/ 969

NOTA SOBRE O “CASO MANUELA PICQ” -

Exigimos a liberação dos demais presos políticos e o fechamento de todos os tipos de “Guantanamos”.
COMPARTILHAR
NOTA SOBRE O “CASO MANUELA PICQ” -

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2015

NOTA SOBRE O “CASO MANUELA PICQ”

Os grupos de pesquisa do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Rio de Janeiro (IESP-UERJ) abaixo assinalados manifestamos nossa preocupação pelos acontecimentos recentes associados à detenção de Manuela Lavinas Picq. A jornalista e pesquisadora franco-brasileira, professora da Universidad San Francisco de Quito, foi detida no Equador no dia 13 de agosto após participação em mobilizações pacíficas contra o governo do presidente Rafael Correa convocadas pelos movimentos indígenas e sindicais.

Manuela foi brutalmente agredida (assim como outras mulheres) na noite do dia 13 de agosto e teve seu visto cassado no dia seguinte. Ficou detida até ontem em um centro de internamento de estrangeiros conhecido como “Hotel Carrión”, enquanto esperava uma audiência sobre sua possível deportação.  O “Hotel Carrión”, no entanto, não é um hotel. É um dos muitos centros de pré-deportação existentes no mundo que mantém os estrangeiros em uma situação de vulneração aos direitos humanos.

Ficamos felizes com a notícia da não deportação, mas o “caso Manuela” não é um fato isolado. De acordo com declarações dos dirigentes da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) e da Confederação Kichwa do Equador (Ecuarunari), 63 pessoas ainda estariam presas em Pichincha, Cotopaxi, Azua e outras províncias por protestar contra o governo.

A América Latina vive uma situação extremamente delicada e ambivalente. Muitos dos governos de esquerda que se elegeram no novo século com o apoio dos movimentos sociais, hoje os reprimem duramente. Alguns avanços foram feitos, mas boa parte das agendas transformadoras foram insuficientes ou se esgotaram e a turbulência política, marcada pela polarização vivida em muitos países da região, nos deixa em estado de alerta tanto pela direita desestabilizadora como pelos excessos autoritários de alguns governos.

Destarte, exigimos:

- A liberação dos demais presos políticos

- O fechamento de todos os tipos de “Guantanamos”

Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina (NETSAL)

Observatório Político Sul-Americano (OPSA)

Laboratório de Análise Política Mundial (LABMUNDO)

Agendas e Atores de Política Externa (AAPE)

Núcleo de Pesquisas e Estudos do Trabalho (NUPET)

Núcleo de Estudos Sobre o Congresso (NECON)

Faça um Comentário

Seu endereço de email não será publicado.